Log in

Dia Nacional da Imunização (9/6): porque as vacinas são tão relevantes para evitar milhares de mortes no mundo todo

Rede Materdei Saúde Foto: Divulgação Rede Materdei Saúde

Médica da Rede Mater Dei de Saúde reforça a importância da conscientização da população sobre o calendário vacinal, do nascimento até a terceira idade   

Consideradas um dos maiores avanços da ciência, as vacinas são responsáveis por evitar, a cada ano, entre dois e três milhões de mortes por doenças preveníveis, de acordo com a Organização Mundial de Saúde (OMS). A imunização em massa é o motivo pelo qual diversas doenças graves e sem cura estão hoje sob controle ou foram extintas – sendo a varíola um dos casos mais emblemáticos. Ela foi a primeira doença para a qual foi criada uma vacina, como conhecemos hoje. Após matar quase 300 milhões de pessoas no século 20, foi oficialmente declarada extinta no mundo em 1984. Atualmente, há imunizantes contra várias doenças, como poliomielite, sarampo, caxumba, gripe, hepatite A e B, entre muitas outras.

Neste contexto, 9 de Junho é o Dia Nacional da Imunização, data que busca conscientizar a população brasileira sobre a importância de se vacinar, como forma de reduzir a mortalidade e as internações causadas por inúmeras doenças. “A vacinação é a melhor forma de erradicar doenças e conter a propagação de micro-organismos nocivos à saúde. Quem se vacina diminui as chances de contrair a enfermidade e ainda protege seus amigos e familiares, pois diversas doenças infecciosas são transmitidas por contato ou pelo ar”, pontua a médica infectologista Silvana Barros, chefe do Serviço de Epidemiologia e Controle de Infecção Hospitalar da Rede Mater Dei de Saúde.

Para ser criada uma vacina, em qualquer lugar do mundo, há um padrão internacional dos ensaios clínicos, que são rigorosamente seguidos, senão o fabricante não obtêm aprovação das agências reguladoras - no caso do Brasil, a responsabilidade é da Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa). Essas etapas são distribuídas em fases e podem levar de 10 a 15 anos para se desenvolverem.

 

  •       Fase um – a vacina é testada em laboratório, geralmente em animais ou células similares às de humanos, para verificar se é segura;
  •       Fase dois – testes de segurança são realizados em mais pessoas e procuram-se sinais de que a vacina está a produzir a resposta necessária no organismo;
  •       Fase três – o grande ensaio, envolvendo milhares de pessoas, para provar que realmente o imunizante protege as pessoas.

 

No caso de uma epidemia da magnitude da Covid-19, por exemplo, as etapas puderam ser encurtadas porque, felizmente, já existia um estudo bem avançado para desenvolvimento de vacinas para outra doença causada por um vírus próximo ao SARS-CoV-2 (causador da Covid-19) e pelos avanços recentes no campo da biologia molecular aplicadas à produção de vacinas. Isso gerou na população mundial um grande receio sobre a segurança dos imunizantes, reacendendo movimentos antivacinação, que já existiam. Mais de 60% da população mundial – 4,2 bilhões de pessoas – recebeu pelo menos uma dose da vacina contra o coronavírus. De acordo com estimativas independentes, cerca de 6,5 milhões de vidas foram salvas apenas no primeiro ano de utilização.

 

“A hesitação contra a imunização é uma prática antiga, ocorria mesmo antes da descoberta da vacina como a conhecemos hoje. No entanto, esse movimento ganhou força no fim da década de 1970, mesmo com os avanços obtidos e os resultados comprovados na redução drástica da incidência das doenças contagiosas. As redes sociais facilitam a disseminação de informações erradas sobre o tema, o que gera um prejuízo para a população”, avalia a infectologista.

 

As vacinas não causam doenças. Em vez disso, elas ensinam o sistema imunológico do nosso corpo a reconhecer e combater a infecção contra a qual foram projetados para proteger. Ao tomar uma vacina, algumas pessoas podem apresentar reações leves a moderadas, como estado febril ou dor muscular. Segundo explica a médica infectologista, esses sintomas não são da doença em si, mas a resposta do corpo à vacina.

 

“As reações comuns que podem afetar mais de uma em cada 10 pessoas e que normalmente melhoram em poucos dias incluem calafrios, cansaço e dores musculares. É raro descobrir que os problemas de saúde que ocorrem após uma vacina são, na verdade, causados pela própria vacina”, explica a médica Silvana Barros.


Atenta ao bem-estar dos pacientes e focada na prevenção de doenças preveníveis, a Rede Mater Dei de Saúde oferece um serviço de imunização completo, do nascimento até a terceira idade. Com ampla cobertura vacinal, o Mater Dei Vacinas dispõe do serviço no Hub Belo Horizonte – que cobre a capital e cidades da Região Metropolitana de Belo Horizonte. De acordo com Jéssica Neves Andrade, responsável técnica pelos Laboratórios da Rede Mater Dei de Saúde, o serviço mantém a excelência no padrão de atendimento Mater Dei, inclusive ofertando o agendamento domiciliar, com maletas refrigeradas para o transporte dos imunizantes.

 

“Há uma série de planos com vacinas para bebês, crianças, jovens, adultos e idosos. O paciente pode ir até nossa unidade central de vacinas, na Avenida Barbacena, bairro Santo Agostinho, de segunda a sexta-feira, das 7h às 17h, ou solicitar o atendimento em sua casa, pelo Whatsapp (31) 3339-9800”, explica.

 

Da infância à fase adulta – O calendário vacinal global geralmente começa na infância e é uma forma simples, segura e efetiva de proteger os pequenos contra doenças, antes mesmo de entrar em contato com elas. Os imunizantes agem no sistema imunológico, estimulando a produção de anticorpos e de células de defesa contra doenças específicas.


“Ao nascer, os bebês precisam ser estimulados a produzir defesas contra os microrganismos que estão no meio ambiente, para que não fiquem suscetíveis a contrair doenças que podem apresentar riscos, além de chances de complicações dessas condições, algumas gravíssimas e outras até fatais. De acordo com a OMS, atualmente existem imunizantes capazes de prevenir mais de 20 doenças extremamente perigosas, além de evitar cerca de 2 a 3 milhões de mortes todos os anos por difteria, tétano, coqueluche, gripe, sarampo e outras”, acrescenta a infectologista Silvana Barros.

Após a infância, ainda é importante seguir as recomendações da Sociedade Brasileira de Imunizações (SBIm) e do Ministério da Saúde, para adolescentes, adultos e idosos (o calendário pode ser consultado no site da organização www.sbim.org.br). Entre os imunizantes recomendados estão: Influenza (gripe); HPV; Covid-19; Hepatites A e B; Vírus Sincicial Respiratório; Febre amarela; Pneumocócicas; Herpes zoster (acima de 50 anos); Tríplice bacteriana acelular do tipo adulto (difteria, tétano e coqueluche) – dTpa ou dTpa; VIP Dupla adulto (difteria e tétano) – dT; Tríplice viral (sarampo, caxumba e rubéola); Varicela (catapora); Meningocócicas conjugadas ACWY ou C; Meningocócica B; e dengue.

Sobre a Rede Mater Dei de Saúde

Somos uma rede de saúde completa, com 43 anos de vida, tendo o paciente no centro de tudo e ancorada em três princípios: inteligência e humanização como pilares do atendimento; tecnologia como apoio da excelência; e solidez das governanças clínica e corporativa. Nossos serviços médico-hospitalares estão disponíveis para toda a família, em todas as fases da vida, com qualidade assistencial e profissionais altamente capacitados e especializados. Estamos em expansão, levando para mais pessoas o Jeito Mater Dei de Cuidar e de Acolher. Nossa premissa é valorizar a vida dos nossos pacientes em cada atendimento, disponibilizando o melhor que a medicina pode oferecer.


Unidades

Minas Gerais: Hospital Mater Dei Santo Agostinho, Hospital Mater Dei Contorno, Hospital Mater Dei Betim-Contagem, Hospital Santa Genoveva, CDI Imagem e Hospital Santa Clara

Bahia: Hospital Mater Dei Salvador e Hospital Emec

Goiás: Hospital Premium

Pará: Hospital Porto Dias

Deixe um comentário

Certifique-se de preencher os campos indicados com (*). Não é permitido código HTML.

Banner 468 x 60 px