Banner Top

Log in

ACNUR reforça apoio aos mais vulneráveis afetados pelas inundações no Brasil e em outras regiões

Este é um resumo do que foi dito pelo porta-voz do ACNUR, William Spindler, ao qual o texto citado deve ser atribuído, na coletiva de imprensa de hoje no Palácio das Nações em Genebra.

Genebra, 24 de maio de 2024 – Quase um mês após o início das fortes chuvas no estado do Rio Grande do Sul, a Agência da ONU para Refugiados (ACNUR) está ampliando sua resposta de forma coordenada com o Governo do Brasil e autoridades locais para atender às necessidades dos mais vulneráveis – incluindo 43.000 refugiados e outras pessoas em necessidade de proteção internacional, principalmente venezuelanos, haitianos e cubanos, além das comunidades que as acolhem.

As inundações são o maior desastre climático no sul do Brasil e causaram 163 mortes e deslocaram cerca de 580.000 pessoas. Mais de 65.000 ainda estão em centros de acomodação temporária; 93 por cento das cidades e áreas rurais no Rio Grande do Sul foram afetadas. Estima-se que são necessários US$ 3,21 milhões para apoiar a resposta do ACNUR, incluindo assistência financeira para os indivíduos afetados e itens essenciais de socorro.

Uma equipe especializada em gestão de abrigos, documentação e prevenção de violência baseada em gênero foi mobilizada para as áreas de desastre e está coordenando o recebimento de itens de socorro enviados pelo ACNUR. A equipe também está fornecendo assistência técnica para melhorar o funcionamento dos abrigos, especialmente em Porto Alegre, capital do estado.

As primeiras Unidades de Habitação Emergenciais e colchonetes chegaram à área afetada, vindas do armazém do ACNUR em Boa Vista (RR). Outros itens como recipientes de água, mochilas, lonas, lâmpadas solares, cobertores e kits de higiene e sanitários estão a caminho do Rio Grande do Sul. Mais itens estão sendo enviados dos estoques do ACNUR na Colômbia e no Panamá.

O ACNUR e a Agência da ONU para as Migrações (OIM) estão visitando abrigos para avaliar as necessidades de pessoas refugiadas, outras em necessidade de proteção internacional e migrantes para avaliar suas demandas e apoiar os casos mais urgentes. Os entrevistados expressaram preocupação com seu futuro, especialmente sobre para onde retornarão e quando. Além disso, o ACNUR, junto a parceiros, está priorizando a reemissão de documentos perdidos.

Organizações lideradas por pessoas refugiadas no Rio Grande do Sul têm coletado e distribuído doações e voluntariado no contexto de emergência. Segundo dados do governo federal, o estado do Rio Grande do Sul abriga mais de 21.000 venezuelanos que foram relocados de forma voluntária do estado de Roraima, desde abril de 2018.

A situação no Rio Grande do Sul é muito preocupante. A previsão do tempo para os próximos dias indica chuvas e ventos fortes, tempestades e possível queda de granizo em partes do território. Eventos climáticos extremos no Brasil têm sido mais frequentes e devastadores nos últimos anos, incluindo secas na região amazônica e chuvas severas nos estados da Bahia e Acre, todos os quais o ACNUR também contribuiu com ajuda humanitária em parceria com os governos.

Mas o financiamento para lidar com os impactos das mudanças climáticas é insuficiente para atender as necessidades daqueles deslocados à força e das comunidades que os acolhem. Sem ajuda para se preparar e responder a esses impactos, incluí-los nos planos nacionais de adaptação e para se recuperar das consequências climáticas severas, eles correm o risco de novos deslocamentos forçados. Mais ajuda é necessária para fornecer socorro vital às famílias que perderam tudo.

Enquanto isso, no Afeganistão, inundações repentinas e chuvas intensas, que começaram em 10 de maio, causaram extensos danos e perdas de vidas no norte, nordeste e oeste do país. Milhares de casas e hectares de terras agrícolas foram danificadas ou destruídas, e mais de 300 pessoas morreram. O ACNUR tem respondido com outras agências da ONU, avaliando necessidades e distribuindo tendas de emergência, itens não alimentares e kits de roupas.

Com parceiros, o ACNUR também está monitorando preocupações de proteção, incluindo casos relatados de separação familiar, e está oferecendo apoio psicológico. Voluntários treinados pelo ACNUR têm disseminado informações sobre os serviços disponíveis. Novas inundações ainda estão sendo relatadas e grandes áreas permanecem isoladas devido a estradas e pontes danificadas.

A situação em toda a África Oriental também continua sendo motivo de grande preocupação. No Quênia, mais chuvas intensas nesta semana inundaram partes do campo de Kakuma, afetando abrigos e instalações públicas, incluindo clínicas de saúde e escolas. O ACNUR e parceiros estão distribuindo itens de socorro, ajudando a evacuar os mais afetados para áreas seguras e reabilitando abrigos danificados.

No Burundi, o ACNUR, com o governo e parceiros, está assistindo os mais afetados através de realocações para locais temporários, fornecimento de água limpa, assistência financeira para necessidades urgentes e distribuição de materiais escolares para crianças. No Sudão do Sul, Sudão e Somália, mais chuvas são esperadas, e os rios continuarão a transbordar nas próximas semanas. Um grande número de refugiados e deslocados está abrigado em locais que podem ser severamente impactados. Nossas equipes estão trabalhando com parceiros na preparação, no entanto, a falta de financiamento está dificultando investimentos significativos em medidas de mitigação.

As mudanças climáticas afetam desproporcionalmente os refugiados e outras pessoas necessitadas de proteção internacional, que já vivem em áreas vulneráveis suscetíveis aos efeitos de eventos climáticos extremos e recorrentes.

Em abril de 2024, o ACNUR lançou seu primeiro Fundo de Resiliência Climática para construir a resiliência de refugiados, comunidades deslocadas e seus anfitriões à crescente intensidade de eventos climáticos extremos relacionados às mudanças climáticas.

Fórum Econômico Brasil-Japão registra memorandos e protocolos de intenções para fomentar investimentos no país

Encontro em SP foi acompanhado de perto pelo premiê Fumio Kishida e por executivos de 40 companhias daquele país trazidas pela Keidanren, que visitaram o Brasil entre os dias 3 e 4 de maio

Maio de 2024 – Em novembro de 2025, o Japão e o Brasil completam 130 anos da assinatura do Tratado de Amizade, Comércio e Navegação. São longos anos de história que transformaram os dois países em bons parceiros de negócios. E mais um capítulo desse bom relacionamento ocorreu no sábado, 4 de maio, no Hotel Intercontinental, na capital paulista, durante o Fórum Econômico Brasil-Japão, quando 31 memorandos e protocolos entre companhias japonesas e brasileiras foram apresentados, com a presença do primeiro-ministro Fumio Kishida e autoridades do governo do presidente Lula. O fórum foi organizado pela Japan External Trade Organization (JETRO), Federação Empresarial do Japão (Keidanren), Confederação Nacional da Indústria (CNI), Agência Brasileira de Promoção de Exportações e Investimentos (ApexBrasil) e Federação das Indústrias do Estado de São Paulo (Fiesp).

O Fórum Econômico reuniu um seleto grupo de 250 convidados, que acompanhou de perto e de maneira bastante atenta às apresentações dos temas “Potencial das Relações Econômicas entre o Japão e o Brasil” (com Hiroyuki Isono, presidente da Oji Holdings Corporation, e Nobuhiko Murakami, presidente do Conselho da Toyota Tsusho Corporation), “Oportunidades de Negócios no Brasil: Expectativas das Empresas Brasileiras com Relação às Empresas Japonesas” (com Alexandre D'Ambrosio, vice-presidente de Assuntos Corporativos e Institucionais da Vale, e Juliana Villano, diretora de Relações Institucionais da Embraer) e o “Fortalecimento da Relação Econômica Entre as Empresas Japonesas e a Comunidade de Descendentes de Japoneses no Brasil” (com Fábio Mizumoto, diretor da Nikkei Empreendedores do Brasil, sócio-fundador da Markestrat Group e Haven Agribusiness School).

A abertura oficial foi feita pelo presidente da JETRO, Norihiko Ishiguro, que veio especialmente ao país para o fórum, seguido posteriormente por saudações de Tatsuo Yasunaga (vice-presidente da Keidanren), Josué Gomes da Silva (presidente da Fiesp) e Ana Repezza (diretora de Negócios da ApexBrasil). O premiê Kishida, bem como o vice-presidente da República Geraldo Alckmin, também falaram rapidamente aos convidados.

Fumio Kishida, acompanhado por executivos de cerca de 40 companhias daquele país trazidas pela Keidanren, visitou o Brasil, entre os dias 3 e 4 de maio, como parte da estratégia de seu governo de estreitar as relações comerciais. O Japão é o 12º maior investidor no Brasil, com estoque de US$ 22,8 bilhões em 2021, especialmente em setores como o automotivo, financeiro e o elétrico, como aponta o Ministério de Desenvolvimento, Indústria, Comércio e Serviços. Em 2023, o comércio bilateral entre os dois países registrou volume de negócios de US$ 11,7 bilhões (US$ 6,6 bilhões de exportações e US$ 5,1 bilhões de importações do Brasil).

Investimentos japoneses no país – Um total de 31 memorandos e protocolos de intenções de cooperação foi anunciado, com investimentos em projetos e plantas industriais no país. A Mitsui & Co., por exemplo, vai investir US$ 30 milhões na Atlas Lithiume e assinou um contrato de compra e venda para um total de 315 mil toneladas de lítio concentrado. A Atlas é uma das maiores detentoras de direitos minerais de lítio no Brasil, com potencial significativo de crescimento e expansão. Com a Suzano, a Mitsui & Co. fechou acordo de cooperação conjunta para produção e venda de biomateriais, biocombustíveis e energias renováveis.

Outro memorando assinado tem relação com uma petrolífera brasileira para o fornecimento de embarcações que utilizam a nova tecnologia Cargo Transfer Vessel (CTV), de propriedade exclusiva do grupo, para melhorar a eficiência da distribuição de petróleo bruto e reduzir as emissões de CO2 em cerca de 50%. Atualmente, existem apenas dois navios de CTV no mundo, e a subsidiária da empresa japonesa é proprietária de ambos. A petrolífera brasileira utilizou a embarcação pela primeira vez em setembro do ano passado.

Outro memorando assinado por uma empresa japonesa diz respeito a promover pesquisa conjunta sobre gestão de recursos florestais, através da coleta de informações sobre alterações climáticas e correlatas à natureza, utilizando dados de satélite e criação de novos valores através da agrofloresta, na região Norte do país. Essa mesma empresa também fechou um acordo que prevê o estabelecimento de um método de avaliação eficiente para a regeneração ambiental de florestas e de terras degradadas na região, utilizando tecnologia de satélite considerando um novo modelo de negócio para a regeneração das terras degradadas, agregando valor às informações ambientais.

A Toyota Tsusho Corporation investe no desenvolvimento do Porto Itaqui, no Maranhão, em parceria com o Terminal de Grãos do Maranhão (Tegram), com o objetivo de dar suporte à expansão da capacidade do terminal de exportação. O local está recebendo novos armazéns de grãos e instalações para escoar produtos como soja e milho, contribuindo para o fornecimento seguro de alimentos ao Japão.

Startups e educação – A JETRO está ampliando a parceria com a ApexBrasil, a partir da assinatura de um Memorando de Entendimento, com o objetivo de gerar oportunidades para empresas de ambos os países a partir de uma troca mútua de inteligência de mercado, realização de business meetings, seminários e pesquisas. As duas instituições têm atuado na promoção bilateral de inovação e desenvolvimento do ecossistema de startups, venture capital e private equity.

A startup Dreamstock assinou memorandos com o Botafogo do Rio de Janeiro e o Corinthians para promover seletivas nas bases dos dois clubes. A companhia japonesa desenvolveu a maior plataforma de seletivas online do mundo, com o objetivo de oferecer oportunidades contínuas para jovens atletas que sonham em se profissionalizar no futebol em clubes espalhados por vários países.

Pesquisa positiva com empresas nipônicas - De acordo com os resultados da última pesquisa da JETRO com empresas japonesas que operam no Brasil, 68,9% delas pretendem expandir seus negócios nos próximos um ou dois anos, principalmente para atender as necessidades crescentes do mercado local.  “Temos o compromisso de ajudá-las a atender essas necessidades e promover negócios entre os dois países em cooperação com os governos locais e instituições relacionadas. Estamos convencidos de que esse fórum foi uma oportunidade para reafirmarmos a importância das relações Brasil-Japão”, disse um executivo da JETRO em sua terceira passagem pelo Brasil.  

Uma das multinacionais japonesas que apostam no Brasil é a Oji Holdings, que completou em 2023 seu cinquentenário no país por meio da subsidiária Celulose Nipo-Brasileira SA (Cenibra). A empresa gera 8 mil empregos, produzindo 1,2 milhão de toneladas de celulose anualmente, com exportações para a Europa, Ásia e América do Norte. Cerca de 42% dos 250 mil hectares de florestas da Cenibra são áreas de preservação ambiental. Paralelamente aos negócios florestais sustentáveis, é realizado a gestão de preservação florestal com foco na biodiversidade e manutenção das bacias hidrográficas.

O Fórum Econômico Brasil-Japão foi transmitido pelo Canal JETRO no YouTube. Para assistir, entre em https://www.youtube.com/watch?v=w2PF_8BrSHk.

_______________________________________________________

SOBRE A JETRO SÃO PAULO (https://www.jetro.go.jp/brazil)  

A Japan External Trade Organization (JETRO) atua no Brasil há mais de 60 anos no fomento de comércio e investimentos entre empresas dos dois países e na atração de investimentos brasileiros para o Japão, além do aprimoramento do ambiente de negócios. Estabelecida em 1958 em Tóquio, conta com 50 escritórios domésticos e 76 no exterior, em 55 países. No Brasil, só mantém escritório na capital paulista.

"Fado em Cidades Históricas" celebra a lusofonia, estreita as margens entre Brasil e Portugal e promove música, história, poesia e gastronomia com encontros inéditos

Evento multicultural gratuito acontece dia 18 e 19 de maio em Petrópolis (RJ) e dia 24, 25 e 26 de maio em Ouro Preto (MG)

"Fado em Cidades Históricas" chega a Ouro Preto para celebrar a lusofonia e promover conexões criativas, nos dias 24, 25 e 26 de maio, com programação gratuita, após passar por Petrópolis, no Rio de Janeiro. O evento realizará grandes encontros que estreitam vínculos culturais, tendo como referência as influências portuguesas, africanas e dos povos originários, com a devida consciência dos fatos, celebrando nossas raízes e memórias, juntando fados, batuques e lundus.

Fazendo uma justa homenagem ao Fado, expoente maior da cultura portuguesa, considerado pela UNESCO como Patrimônio Oral e Imaterial da Humanidade, o festival ainda celebra outros Patrimônios Imateriais, como o chorinho e o samba. Em Ouro Preto, o Fado se encontra também com a cidade que é Patrimônio Histórico da Humanidade. No evento, a música encontra a poesia, assim como a história, a gastronomia, as manifestações artísticas eruditas e populares e uma exposição sobre o clássico português que dá nome ao festival.

"Fado em Cidades Históricas" é uma realização do Ministério da Cultura, Natasha Artes e Planeta Cultura e Sustentabilidade. O evento tem como patrocinador master a GALP, e como demais patrocinadores GERDAU e GEOCOBA Engenharia Apoio do INSTITUTO YDUQS - Estácio. Conta ainda com a parceria da Prefeitura de Petrópolis, Prefeitura de Ouro Preto, SENAC Petrópolis e da Fundação das Artes de Ouro Preto (FAOP).

A curadoria é da entusiasta da música e empreendedora cultural Connie Lopes, também idealizadora do consagrado festival Back2Black. Na cidade histórica mineira, o repertório homenageia o fado com apresentações de convidados, como a fadista contemporânea Ana Moura, uma das mais conhecidas e respeitadas de Portugal pela sua voz única e profunda; a grande artista de interpretação marcante Raquel Tavares; a musicista Marta Pereira da Costa com sua guitarra portuguesa, que se junta em show inédito à violonista Samara Líbano, acompanhada de seu violão de sete cordas. "É sempre muito emocionante proporcionar um espaço para celebrarmos juntos nossas raízes comuns, promover um diálogo entre diferentes povos e fortalecer os laços da lusofonia", afirma a idealizadora Connie Lopes.

Em meio a espaços abertos e cenários históricos, a brasilidade ganha destaque com o Clube do Choro de Belo Horizonte; a concertista Rosana Lanzelotte; e a apresentação da Orquestra Padre Simões de Ouro Preto, com participação da cantora angolana Jéssica Areias.

O encontro de línguas portuguesas também contará com a presença do musicólogo português Rui Vieira Nery, além de um "Sarau Decolonial de Poesia". No atual momento de reavaliação da história e da necessidade de ampliar e diversificar as perspectivas, e honrando a beleza e o legado da literatura portuguesa, celebra-se a força dos versos dissidentes, das vozes divergentes e das visões mais abrangentes. Para o musicólogo Rui Vieira Nery, no contexto multicultural do Brasil colonial, os ritmos e os padrões de dança africanos combinam-se com as harmonias e as formas europeias para gerar uma dança cantada de forte sensualidade. Essa música atravessou o Atlântico e se implantou nos bairros populares do porto de Lisboa.

Adornado como nas festas de Portugal, o festival também trará teatros de rua, contação de histórias, feira com quitutes, vinhos e artesanatos, além de oficinas de culinária, azulejos e cerâmicas.

Viagem à gastronomia portuguesa

Em um reflexo histórico de interações culturais, a gastronomia portuguesa carrega influências romanas, árabes, africanas e brasileiras em sua culinária. Entre especiarias, temperos e ingredientes, 'Fado em Cidades Históricas' propõe uma viagem histórica de imersão nos sabores tradicionais e contemporâneos da gastronomia lusitana.

Os participantes têm a oportunidade de explorar pratos típicos e os populares quitutes, como o famoso pastel de Belém, e apreciar vinhos tradicionais. Um dos pontos altos do Festival é o workshop de culinária gratuita com a renomada e premiada chef Marlene Vieira (Instagram @chefmarlenevieira | Site marlene.pt) sobre a nova e tradicional gastronomia portuguesa. Marlene é considerada a chef feminina número 1 de Portugal, e seu restaurante foi indicado este ano de 2024 pelo Guia Michelin.

Saiba mais sobre o Fado

No final do século XIX, fora das portas de Lisboa, o Fado era ouvido em tavernas simples e desprovidas de luxo onde se misturavam a aristocracia decadente, os pobres, os menos favorecidos e os marginais. A partir de uma base musical formada por três estilos tocados na guitarra, o Menor (muito lento), o Corrido (rápido) e o Mouraria, os cantores improvisavam e criavam novas melodias, que a princípio eram simples variações e inflexões vocais. As palavras podiam nascer da improvisação do cantador ou da inspiração de alguém no meio do público, que escrevia ali mesmo seus versos na mesma métrica das melodias.

Serviço

Gratuito - Festival multicultural Fado em Cidades Históricas

Petrópolis - RJ

Local: Palácio de Cristal

Data: 18 e 19 de maio

 

Ouro Preto - MG

Local: Faop (Fundação de Artes de Ouro Preto) - Rua Alvarenga, 794, Cabeças, Ouro Pretos) / Alto das Dores (Largo da Igreja de Nossa Senhora das Dores)

Data: 24, 25 e 26 de maio

 

Programação completa em breve: https://fadoemcidadeshistoricas.com.br/

Classificação: Livre

Mais informações: @fadoemcidadeshistoricas (Instagram, Facebook e YouTube)

 

Patrocínio Master: Galp Patrocínio: Gerdau e Geocoba

Apoio: Instituto Yduqs / Estácio e TAP Air Portugal Parcerias: Prefeituras de Petrópolis e Ouro Preto, Senac, Faop Co-realização: Planeta Cluster

Realização: Natasha Artes e Ministério da Cultura Brasil

Informações para a imprensa:

Institucional:

Flávia Tenório
LEAD Comunicação - Rio de Janeiro | Brasil
(21) 2222-9450 | (21) 993489189
Este endereço de email está sendo protegido de spambots. Você precisa do JavaScript ativado para vê-lo. | www.leadcomunicacao.com

Ouro Preto - MG:

Mayra Lopes - Doizum Comunicações

Este endereço de email está sendo protegido de spambots. Você precisa do JavaScript ativado para vê-lo.

(31) 99795-0364

CVC lança maior live de viagens do Brasil, com apresentação de Rodrigo Faro

"Faro de Ofertas" será lançado neste sábado (23), ao vivo, às 11h, destacando as principais promoções da operadora

A CVC, maior operadora de viagens do país, lança uma novidade neste sábado (23): uma live especial para trazer as melhores oportunidades de viagens com preços especiais, que será apresentada por Rodrigo Faro. O lançamento do projeto “Faro de Ofertas” será às 11h, com transmissão neste link. Para ter acesso às ofertas divulgadas, é necessário se cadastrar aqui: https://www.cvc.com.br/lp/promocoes/farodeofertas.

Por meio da Super Live, Faro trará as principais ofertas de pacotes de viagens nacionais e internacionais da CVC, com muito conteúdo e diversão. O principal objetivo da novidade é inovar a forma como o brasileiro consome produtos e serviços turísticos, fazendo com que os clientes possam planejar a próxima viagem de férias de forma segura e gastando pouco.

Os espectadores poderão enviar perguntas e tirar dúvidas ao vivo. Os destinos de estreia da atração, que terá duração de 6 meses, são Porto Seguro (BA) e região, Argentina (com destaque para Buenos Aires e a temporada de inverno em Bariloche), ofertas de cruzeiros marítimos, além dos pacotes exclusivos que a operadora oferece para o Rock in Rio, que acontece em setembro.

Durante a transmissão, o cliente poderá clicar na oferta desejada e será direcionado para a tela de procura da loja mais próxima. Haverá ainda um QR Code junto aos produtos, que também levará o cliente para procurar a loja mais perto de sua localidade e iniciar seu atendimento com um consultor CVC, podendo começar o contato via whatsapp.

Tanto no perfil do Instagram da CVC, quanto no perfil do Instagram do Rodrigo Faro, haverá divulgações e redirecionamentos simultâneos para a live de ofertas. Serão 20 grandes ofertas por live e mais de 50 influenciadores contratados pela empresa para repercutir a ação, enquanto estiver ao vivo.

  • Publicado em Turismo

Governo vai enviar vacinas contra dengue para mais 29 municípios

Novo lote completa lista de 521 cidades que receberão o imunizante

O Ministério da Saúde informou que vai enviar doses de vacinas contra dengue para mais 29 municípios nos próximos dias. O novo lote vai completar a lista de 521 municípios selecionados para receber as doses até a primeira quinzena de março. Até o momento, 492 cidades já receberam os imunizantes.

A vacinação contra a dengue começou neste mês e é destinada à aplicação em crianças de 10 e 11 anos. Até o fim deste ano, a vacinação com a Qdenga, nome comercial do imunizante, será ampliada para adolescentes de 12,13 e 14 anos que moram nos 521 municípios.

Os municípios foram escolhidos para receber os primeiros lotes das vacinas por estarem localizados em áreas de com alta incidência da dengue tipo 2 (Sorotipo 2), que provoca infecção mais grave da doença.

A restrição de regiões que vão receber a vacinação foi feita diante das dificuldades apresentadas para produção e oferta da vacina, elaborada pelo laboratório Takeda. A partir da entrega de mais carregamentos, a vacinação será ampliada pelo Sistema Único de Saúde (SUS).

Segundo o Ministério da Saúde, foram compradas 5,2 milhões de vacinas neste ano. Em 2025, serão mais 9 milhões.

A vacina Qdenga teve o registro aprovado pela Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) em março de 2023. Em dezembro do ano passado, a pasta anunciou a incorporação do insumo no SUS.

Pelo menos seis estados já declararam situação de emergência devido aos casos registrados de dengue na população. Rio de Janeiro, Espírito Santo, Minas Gerais, Acre, Goiás e o Distrito Federal estão na lista.

Por André Richter – Repórter da Agência Brasil - Brasília

Edição: Denise Griesinger

Fonte: Agência Brasil

  • Publicado em Saude

Ministros de Finanças do G20 se reúnem em São Paulo nesta semana

Combate à desigualdade e reforma no FMI serão destaque

O combate à desigualdade global e as reformas em instituições financeiras multilaterais serão os principais destaques da primeira reunião ministerial da Trilha de Finanças do G20, grupo das 20 maiores economias do planeta. O encontro, que integra a agenda da presidência brasileira do G20, ocorre nesta semana no Pavilhão da Bienal, no Parque do Ibirapuera em São Paulo. O ministro da Fazenda, Fernando Haddad, e o presidente do Banco Central (BC), Roberto Campos Neto, representam o Brasil.

Nesta segunda-feira (26) e terça-feira (27), representantes e secretários dos ministros de Finanças e dos presidentes de Bancos Centrais farão um encontro preparatório no mesmo local. Nessas datas, a embaixadora Tatiana Rosito, secretária de Assuntos Internacionais do Ministério da Fazenda e coordenadora da Trilha de Finanças do G20, representará a pasta.

Na quarta-feira (28), Haddad e Campos Neto participarão das sessões temáticas da reunião ministerial. Em paralelo, o ministro da Fazenda terá uma série de encontros bilaterais e eventos à margem da reunião ministerial.

Eventos paralelos

Na segunda, Haddad se reunirá, no gabinete do Ministério da Fazenda, em São Paulo, com o ministro das Finanças da Rússia, Anton Siluanov; e com o diretor do banco GFANZ (instituição que financia a transição para a economia de zero carbono), Mark Carney. O ministro também se encontrará com o diretor-executivo do Brasil no Fundo Monetário Internacional (FMI), Afonso Bevilaqua; e com a diretora-gerente do FMI, Kristalina Georgieva.

No mesmo dia, o ministro participará de dois eventos ligados ao plano de transição ecológica. Às 11h, Haddad dará uma entrevista coletiva para a apresentação do programa de proteção cambial para investimentos verdes sustentáveis, no prédio do Ministério da Fazenda na Avenida Paulista. Às 15h20, participará da mesa de abertura do Fórum de Mudanças Climáticas, no Hotel Rosewood, evento com selo do G20 Social organizado por entidades da sociedade civil.

Na terça, Haddad, se reunirá com os ministros das Finanças da Noruega, Trygve Vedum; e de Portugal, Fernando Medina, pela manhã. Às 11h, participa de evento da Câmara Americana de Comércio (Amcham), com a secretária norte-americana do Tesouro, Janet Yellen. O evento celebrará os 200 anos das relações entre os Estados Unidos e o Brasil.

À tarde, Haddad terá uma reunião de trabalho fechada sobre o G20, no Pavilhão da Bienal; e representará o Brasil na reunião dos governadores dos países que integram o Novo Banco de Desenvolvimento (NDB), também conhecido como Banco do Brics, no mesmo local. Às 17h, está previsto uma reunião a portas fechadas com a presidenta do NDB, Dilma Rousseff. Às 17h45, Haddad participa de uma reunião de ministros das Finanças do Brics, que neste ano é presidido pela Rússia, também no Pavilhão da Bienal.

Na quarta-feira, Haddad se reunirá com o ministro da Economia da Arábia Saudita, Faisal bin Fadhil al-Ibrahim, na Bienal. Às 9h45, o ministro fará o discurso de abertura da reunião ministerial. Às 14h, Haddad comparecerá a um evento do Banco Interamericano de Desenvolvimento (BID), no auditório do Ibirapuera. Está prevista uma declaração na companhia do presidente da diretora-geral do FMI; do presidente do Banco Mundial, Ajay Bang; e do presidente do BID, Ilan Goldfajn.

Às 14h45, Haddad participa da segunda sessão da reunião do G20, presidida por Campos Neto, que discutirá perspectivas globais sobre crescimento, emprego, inflação e estabilidade financeira.

Na quinta-feira (29), Haddad terá uma reunião bilateral como ministro da Economia da França, Bruno Le Maire, no prédio da Bienal. Às 10h, fará um discurso sobre tributação internacional. Às 13h30, o ministro presidirá uma reunião com os ministros de Finanças do G20 e ministros convidados de países africanos. Às 14h30, Haddad participa de um painel sobre  endividamento global e desenvolvimento sustentável.

A reunião do G20 acaba com as considerações finais dos ministros, às 18h, e uma entrevista coletiva de encerramento, às 18h30, concedida por Haddad e a embaixadora Tatiana Rosito.

Temas

A Trilha de Finanças do G20 propõe o debate sobre o papel de políticas públicas no combate às desigualdades, em linha com as prioridades gerais do Brasil no G20. A reunião ministerial também tratará de perspectivas globais sobre crescimento, emprego, inflação e estabilidade financeira.

Os debates, informou o Ministério da Fazenda, têm como objetivo estimular melhores práticas para lidar com a dívida global crescente e financiar o desenvolvimento sustentável, além de discutir a taxação internacional e as perspectivas dos países sobre o setor financeiro.

Confirmações

Até agora, delegações de 27 países confirmaram presença no encontro. Entre os participantes anunciados, estão a Secretária do Tesouro dos Estados Unidos, Janet Yellen; o Ministro de Finanças da Alemanha, Christian Lindner; o comissário para o Comércio e Indústria da União Africana, Albert Muchanga; a ministra das Finanças da Indonésia, Sri Indrawati; e o ministro da Economia da Argentina, Luis “Toto” Caputo.

Além dos ministros de Finanças e dos presidentes dos Bancos Centrais, o evento terá a presença de representantes de alto nível de 16 de organizações e bancos internacionais.

Em dezembro do ano passado, ocorreu um encontro preparatório para a reunião ministerial do G20 no Palácio do Itamaraty, em Brasília. O evento teve a participação do presidente Luiz Inácio Lula da Silva, de Haddad e de Campos Neto.

Confira a lista dos membros do G20 e das delegações convidadas que confirmaram presença na reunião ministerial:

•    África do Sul;

•    Alemanha;

•    Angola;

•    Arábia Saudita;

•    Argentina;

•    Austrália;

•    Canadá;

•    China;

•    Coreia do Sul;

•    Egito;

•    Emirados Árabes;

•    Espanha;

•    Estados Unidos;

•    França;

•    Índia;

•    Indonésia;

•    Itália;

•    Japão;

•    México;

•    Nigéria;

•    Noruega;

•    Portugal;

•    Reino Unido;

•    Rússia;

•    Singapura;

•    Suíça;

•    Turquia;

•    União Africana;

•    União Europeia

Por: Wellton Máximo – Repórter da Agência Brasil - Brasília

Edição: Aline Leal

Fonte: Agência Brasil

  • Publicado em Economia

Com expectativa de quadruplicar renda no Brasil até 2026, carreira no mercado de jogos eletrônicos mostra potencial

Os games já representam a maior indústria do entretenimento do mundo, tendo um público que consome US$ 188 bilhões em produtos e serviços; com a pujança, o setor tem espaço para diversas carreiras diferentes que são promissoras

Os jogos eletrônicos já são uma realidade no Brasil e no mundo. Considerado há algumas décadas como “coisa de criança”, atualmente eles já representam a maior fatia do mercado de entretenimento do planeta.

De acordo com um relatório da consultoria Newzoo, a previsão é que, no fechamento de 2023, o número de jogadores pode ter alcançado 3,3 bilhões — o que representaria mais de 40% da população mundial. No quesito econômico, este montante de gente deve ter movimentado cerca de US$ 188 bilhões (cerca de R$ 925 bilhões na cotação atual) no ano passado, de acordo com as estimativas.

O Brasil não está fora deste movimento internacional. Principal player do mercado na América Latina desde 2021, cerca de 70% da população brasileira joga alguma coisa, segundo a Pesquisa Game Brasil (PGB) de 2023.

Entrevistando mais de 14 mil brasileiros, a última edição da PGB mostrou que nada menos que 82,1% dos ouvidos consideram os games como uma das principais formas de entretenimento. No quesito econômico, a indústria brasileira de jogos eletrônicos deve quadruplicar a renda até 2026, chegando aos US$ 2,8 bilhões (R$ 13 bilhões, segundo o relatório PwC 2022-2026. A grana representaria 47,4% de toda a receita com games no continente.

Os números superlativos mostram não somente a potência atual da indústria dos games, mas seu potencial de crescimento. Luiz Guilherme Guedes, CEO e cofundador da EPIC, empresa que desenvolve estratégias criativas em marketing de influência e potencializa criadores de conteúdo, afirma que os resultados são expressivos porque os jogos eletrônicos são para todo mundo.

“Não existe mais aquela imagem estereotipada do gamer anti social, timido, que não interage com as outras pessoas. Hoje nós temos avós que são gamers. A popularização dos celulares possibilitou que os mais diferentes públicos pudessem interagir com títulos como Candy Crush, até clássicos como Tetris, Sudoku e Xadrez, que tem versões digitais”, argumenta.

 

Carreiras no mercado de games

Em um mercado tão gigantesco como o de games, há espaço para as mais diversas profissões. Crianças que cresceram com o sonho de trabalhar no setor não precisam necessariamente virar desenvolvedoras, já que há uma gama enorme de possibilidades no mercado.

Como qualquer tipo de empresa, uma desenvolvedora necessita de profissionais de recursos humanos, relações públicas, contadores, especialistas em marketing, publicitários, gestores de projetos e analistas de vendas, por exemplo.

Já na parte criativa, propriamente envolvida na criação dos jogos, também há várias possibilidades. Um game é projetado por pessoas com habilidades em design, programação, softwares, testers, som e mais. 

“Todas as áreas envolvidas na criação dos jogos têm em comum a criatividade. Ela é um ponto essencial para fazer com que um projeto seja único e se destaque no meio de uma maré enorme de publicações”, salienta Guedes.

Por causa deste elemento, os games fazem parte da chamada economia criativa digitalSegundo o Ministério da Cultura, atualmente o setor representa 3,11% do Produto Interno Bruto (PIB) e emprega cerca de 7,5 milhões de pessoas. São mais de 130 mil empresas formalizadas na economia criativa.

E a pujança do setor mostra ainda como é possível atuar até “fora” da indústria de games. No caso, produtores de conteúdo, streamers, podcasters, youtubers e influenciadores que cobrem jogos eletrônicos estão conquistando enormes públicos e virando referência de opinião, na chamada “creators economy”.

Neste setor, a EPICdigitais agencia creators como o Matando Robôs Gigantes. O MRG como é popularmente conhecido é composto por Affonso Solano, Diogo Braga e Beto Estrada, que falam semanalmente sobre jogos eletrônicos nas mais diversas redes sociais. O MRG tem 310 mil inscritos no YouTube e mais de 67 milhões de visualizações.

Outro canal parceiro da EPICdigitais é o Nautilus, dos produtores de conteúdo Bruno, Henrique, Nelson, Lucas e Ricardo. Conhecido pelas edições primorosas de vídeo e as análises densas de jogos, o canal é seguido por 270 mil pessoas e tem mais de 27 milhões de visualizações.

A EPICdigitais também tem em seu portfólio de creators o Rodrigo Coelho, mais conhecido como “Coelho no Japão”. Especialista em jogos e consoles da Nintendo, ele é seguido por 74 mil pessoas no Instagram, tem mais de 374 mil inscritos no YouTube, 59 mil no Twitter e 45 mil no TikTok.

“Os jogos estão redefinindo o que significa entretenimento na era digital. A capacidade de um jogo de gerar receitas em múltiplos canais - seja através de vendas diretas, microtransações, mercadorias ou adaptações para outras mídias - destaca seu valor na economia criativa moderna”, pontua o CEO da EPIC.

 

Dicas para trabalhar na área de games

Atuar em um setor em que você é apaixonado pode ser a realização de um sonho. Contudo, é preciso bastante preparo e ciência de que apesar de aquilo ser seu hobby, ainda há muitos desafios pela frente.

Luiz Guilherme Guedes diz que profissionais modernos precisam valorizar características como inovação, agilidade, adaptação, trabalho em equipe e foco na resolução de problemas. Ele ainda elenca o conhecimento técnico, que pode ser um diferencial na hora de garantir uma vaga na indústria.

“Gamers geralmente possuem habilidades técnicas avançadas e uma compreensão intuitiva das novas tecnologias, o que pode ser extremamente benéfico em um ambiente de trabalho cada vez mais digital”, ressalta.

O CEO da EPIC elenca ainda mais 5 dicas para quem sonha em trabalhar com games:

  1. Descobrindo sua paixão: qual é o seu jogo? Se você pretende desenvolver jogos, identifique o que te atrai. É a programação? O design gráfico? A narrativa? Descobrir sua paixão é como encontrar seu próprio "Anel do Poder" – ele vai guiar todos os seus passos;
  2. Educação e Aprendizado: não é necessário ter um diploma específico para entrar no campo, mas é essencial ter conhecimentos, habilidades e atitudes relevantes. Há muitos cursos online sobre desenvolvimento, criação de conteúdo, comunicação, edição de foto e vídeo, arte digital e muito mais;
  3. Prática e projetos pessoais: comece pequeno, com projetos em jogos pequenos, com vídeos e designs com produções mais simples. Neste momento, a prática é essencial e criar um portfólio com seus projetos será um diferencial na hora de buscar uma vaga em uma empresa grande ou buscar um patrocinador como creator;
  4. Networking: o networking é essencial. Participe de conferências de jogos, fóruns online, grupos de desenvolvimento e redes sociais. É como encontrar sua tribo, seus companheiros que vão apoiar e inspirar você no seu caminho. Além de tirar dúvidas, você ainda poderá criar grandes amizades e relações pessoais;
  5. Estágios e trabalhos de entrada: não subestime estágios ou posições de nível inicial. Eles são o primeiro passo dentro da "Estrela da Morte" - o lugar onde você aprende os segredos do império. Cada experiência é valiosa e pode abrir portas para oportunidades maiores.

“Em um mundo onde a tecnologia e a criatividade se entrelaçam de maneiras novas e empolgantes, os games são mais do que um mero passatempo - são um testemunho do poder da inovação, da narrativa e da conexão humana na era digital”, finaliza Luiz Guilherme Guedes.

Sobre Luiz Guilherme Guedes

Fundador do Grupo EPIC e CEO da EPICdigitais, startup CreativeTech focada em Economia Criativa Digital, que conta um time de 14 creators e um alcance de mais de 7,5 milhões de pessoas. Ao longo de seus mais de 25 anos de atuação profissional, Luiz Guilherme Guedes foi co-fundador de 3 hubs de inovação, 5 ecossistemas empreendedores e 12 startups.

Além do Grupo EPIC, Luiz Guedes também atua como conselheiro, palestrante e professor convidado de cursos de extensão. Seu propósito é apresentar a transformação que a economia criativa digital pode oferecer ao mundo e, principalmente, aos profissionais criativos digitais.

Sobre a EPICdigitais

A EPICdigitais é uma empresa referência no mercado de economia criativa, sobretudo no engajamento das gerações Y, Z e Alpha. Nos últimos 10 anos, vem impactando mais de 50 milhões de pessoas com conteúdos e campanhas nas mais diversas mídias sociais. A empresa é uma CreativeTech, combinando criatividade e tecnologia para criar soluções criativas inovadoras.

O principal foco da EPICdigitais é capturar a imaginação das novas gerações através de experiências digitais e lúdicas que não apenas entretêm, mas educam e inspiram. A empresa pode ser definida pela sua inovação, criatividade, qualidade, credibilidade no mercado, principalmente com seu time de creators.

Dentre as soluções que a EPICdigitais oferece, estão: soluções estratégicas de marketing de influência, eventos, consultorias, curadoria de creators e influencers, profissionalização e incentivo aos profissionais criativos, capacitação em economia criativa digital e desenvolvimento de espaços de metaverso para empresas.

200 anos da imigração alemã no Brasil

No livro "1824", historiador Rodrigo Trespach narra a construção da comunidade teuto-brasileira a partir do surgimento da colônia em São Leopoldo, no Rio Grande do Sul

De um lado o Brasil, que buscava a consolidação de um modelo político e governamental, para a formação da identidade nacional após a declaração formal de independência, em 1822; do outro, a Alemanha, abalada pelas guerras napoleônicas, que embora tivessem chegado ao fim, causaram destruição por todo o país. É nesse contexto que José Bonifácio, principal conselheiro de D. Pedro I, põe em prática o projeto de trazer imigrantes europeus para terras sul-americanas, com a ajuda do agente Georg Anton von Schaeffer.

Os detalhes deste processo imigratório que completa 200 anos em 2024 são detalhados pelo historiador gaúcho Rodrigo Trespach na obra 1824, publicada pela Citadel Grupo Editorial. Por meio de documentos, cartas, ofícios e uma vasta bibliografia, o pesquisador entrelaça a vida de líderes políticos, militares e visionários com a de artesãos, agricultores e camponeses que atravessaram o Oceano Atlântico em busca de novas e melhores condições de vida.

Dividido em 22 capítulos, o livro é um mergulho na imigração germânica no Primeiro Reinado – entre o período de 1822 e 1831. Durante nove anos, mais de cinco mil alemães desembarcaram no Faxinal do Courita, porção de terra próxima ao Rio dos Sinos, nos arredores de Porto Alegre. O pequeno povoado instalado no Rio Grande do Sul tornou-se exemplo de sucesso da política de colonização do governo imperial e, por dois séculos, os germânicos adaptaram os costumes europeus à cultura brasileira: hoje, o país soma mais de cinco milhões descendentes de alemães.

Os países de língua alemã na Europa, especialmente a Alemanha,
continuaram deixando partir para a América do Sul o seu excedente populacional.
Além do papel importante no desenvolvimento da agricultura e na produção industrial - as colônias teutas
são exemplos ímpares do poder e da capacidade transformadora das ações comunitárias, como o cooperativismo,
criado em Nova Petrópolis, no começo do século XX -, os alemães ajudaram a pintar o grande painel multicultural chamado Brasil.

 (1824, p. 317)

Curiosidades como o surgimento da igreja protestante no país e a existência de um plano argentino para assassinar D. Pedro I, representado na capa do livro, complementam esta leitura mais que indicada a estudantes, professores e leitores em busca de informação e conhecimento sobre a colonização brasileira. Rodrigo Trespach é pesquisador referência em história dos séculos, XVIII, XIX e XX e autor de outros 17 livros, entre Às margens do Ipiranga, também publicado pela Citadel Grupo Editorial.

FICHA TÉCNICA
Título:
 1824
Autor: Rodrigo Trespach
Editora: Citadel Grupo Editorial
ISBN: 978-6550472665
Dimensões: 15.5 x 2 x 23 cm
Páginas: 368
Preço: R$ 64,90
Onde comprar: Amazon

Sobre o autor: Rodrigo Trespach é historiador e escritor, autor de 17 livros, entre eles Grandes GuerrasA Revolução de 1930 e Às margens do Ipiranga, este pela Citadel Grupo Editorial. Tem como foco de pesquisas os séculos XVIII, XIX e XX. Além de membro do Instituto Histórico e Geográfico do Rio Grande do Sul (IHGRGS), atua como colaborador da Genera, no Brasil, e do Institut für Geschichtliche Landeskunde (IGL), da Universidade de Mainz, na Alemanha.

Redes sociais: Instagram | Twitter | Facebook | Site

Sobre a editora: Transformar a vida das pessoas. Foi com esse conceito que o Citadel Grupo Editorial nasceu. Mudar, inovar e trazer mensagens que possam servir de inspiração para os leitores. A editora trabalha com escritores renomados como Napoleon Hill, Sharon Lechter, Clóvis de Barros Filho, entre outros. As obras propõem reflexões sobre atitudes que devem ser tomadas para quem quer ter uma vida bem-sucedida. Com essa ideia central, a Citadel busca aprimorar obras que tocam de alguma maneira o espírito do leitor.

Redes sociais da editora: Site | Instagram | Facebook | YouTube 

Banner 468 x 60 px