Log in

UniBH mantém parceria com a PBH e será ponto de aplicação da vacina bivalente contra a Covid-19

Imunização começa nesta segunda-feira (27/02), e a infectologista Rachel Bandeira, professora do centro universitário, reforça que a nova dose já é eficaz contra as novas variantes do vírus

A partir desta segunda-feira (27/02), o UniBH, instituição integrante do ecossistema da Ânima Educação, volta a participar da campanha de vacinação contra a Covid-19, em Belo Horizonte. O Campus Buritis, na Região Oeste, mantém a parceria com a PBH e será ponto de aplicação da vacina Pfizer bivalente, adotando cronograma estabelecido pela Prefeitura da capital. Nessa primeira etapa, serão imunizados idosos acima de 80 anos e pessoas com alto grau de imunossupressão, maiores de 12 anos. O atendimento vai de segunda a sexta-feira, das 9h às 16h, com entrada pela Rua Líbero Leone, 259. O local conta com estacionamento.

A infectologista Rachel Bandeira, professora do UniBH, destaca que o início da vacinação com o imunizante bivalente é uma excelente notícia, pois essa nova dose já é eficaz contra as variantes do vírus original. “São vacinas atualizadas, que incluem RNA mensageiro que codifica a proteína ‘spike’ da cepa original de SARS-CoV-2, lá do início da pandemia, e acrescenta da variante Ômicron e subvariantes BA.4 e BA.5. São os principais subtipos circulando atualmente. Então é uma proteção adicional muito importante”, explica. As reações adversas esperadas, se ocorrerem, são as mesmas das vacinas anteriores (monovalente): dor no local da aplicação, vermelhidão e dor no corpo.

No ponto de vacinação do UniBH, as equipes se revezam entre preceptores e estudantes dos cursos de Medicina, Enfermagem e Farmácia para o atendimento aos cidadãos. É uma oportunidade singular para o centro universitário contribuir com as políticas públicas de saúde de Belo Horizonte e, ao mesmo tempo, ofertar aos seus alunos e alunas essa vivência prática. A imunização no UniBH, assim como nos demais postos da cidade, está condicionada à disponibilização de vacinas pela PBH.

 

Serviço: Vacinação contra Covid-19 com a Pfizer Bivalente

Local: Campus do UniBH (Rua Líbero Leone, 259 - Buritis)

Horário: De segunda a sexta-feira, das 9h às 16h

Público: Idosos acima de 80 anos e pessoas com alto grau de imunossupressão, maiores de 12 anos

* É necessário levar caderneta de vacinação e documento de identificação com foto

 

Sobre o UniBH

Fundado há mais de meio século, o UniBH alia tradição e inovação acadêmica. Pelo segundo ano consecutivo a instituição foi reconhecida como o melhor centro universitário privado de Belo Horizonte, segundo o MEC. Com mais de 50 cursos de ensino superior e pós-graduação, o UniBH tem investido constantemente em melhorias no ensino, reforçando a educação transdisciplinar, focada no desenvolvimento de profissionais do futuro.

 

MIP - Manifestação Internacional de Performance recebe inscrições para cursos e Espaço Aberto

Promovido pelo Ceia, a 4ª edição da MIP oferece cursos de iniciação e aperfeiçoamento, além de abrir processo seletivo para interessados em apresentar performances na programação desta edição.

Estão abertos os chamamentos públicos para a quarta edição da MIP - Manifestação Internacional de Performance, realizada pelo Ceia – Centro de Experimentação e Informação de Arte. Os interessados poderão aplicar para o Curso de Iniciação, que acontece entre 27 de setembro a 02 de outubro, Curso de Aperfeiçoamento, realizado entre 11 a 23 de outubro, e para o Espaço Aberto, cujas apresentações acontecem de 26 de outubro a 7 de novembro. Por conta da pandemia de Covid-19, as atividades foram adaptadas para o formato digital.

Essa edição da MIP foi idealizada por Marco Paulo Rolla, coordenador do Ceia, em parceria com Fernando Ribeiro, artista que participou do Espaço Aberto em 2003, na primeira edição do evento em Belo Horizonte. A temática da MIP4 tem como fio condutor o encontro: de cenas, realidades, pessoas, culturas e artistas, como possibilidade de troca. Considerando que a performance é uma prática que abarca uma grande diversidade de linguagens e formas de expressão, a programação propõe estimular múltiplas potencialidades.

Com inscrições abertas até 10 de setembro, o curso de Iniciação à Performance, ministrado por Fernando Ribeiro e Marco Paulo Rolla, tem como público-alvo artistas iniciantes de várias áreas (teatro, dança, música, artes plásticas) que tenham interesse em conhecer sobre o conceito e a prática da performance. A seleção dos participantes será realizada por meio de avaliação do currículo e carta de intenção. O acesso é gratuito. No caso do Curso de Aperfeiçoamento, que receberá inscrições até 17 de setembro, as aulas serão ministradas pela estadunidense Alison Crocetta. O público-alvo são também artistas de várias áreas, que já possuem algum conhecimento em performance.  Cada curso oferecerá ao todo 25 vagas. A seleção dos participantes também será feita por meio de avaliação de currículo e carta de intenção. Os participantes selecionados na categoria Aperfeiçoamento devem contribuir com uma taxa de R$100.

Já para o Espaço Aberto, cinco performances serão escolhidas para apresentação na 4ª MIP, que será realizada entre os dias 26 de outubro e 07 de novembro. A intenção é criar oportunidades para (tirar a palavra novos) artistas que queiram exercitar a prática da performance e participar ativamente da programação de um evento internacional dedicado exclusivamente a esta linguagem. Para essa ação, que receberá inscrições até 24 de setembro, apenas residentes ou domiciliados em Belo Horizonte poderão participar.

Este projeto é realizado com recursos da Lei Municipal de Incentivo à Cultura de Belo Horizonte. Projeto 1022/2020.
 
Sobre o CEIA e a MIP
Idealizado pelo artista Marco Paulo Rolla, o Ceia tem como proposta incentivar espaços de produção e pensamento acerca da cena artística contemporânea. Desde 2001, o coletivo realiza em Belo Horizonte diversos eventos nacionais e internacionais de artes plásticas, que contribuem para impulsionar a carreira de artistas da capital mineira. Na capital mineira, já aconteceram oito eventos internacionais de artes plásticas, com enfoque em diferentes linguagens.
 
Ficha Técnica MIP - Manifestação internacional de Performance
Coordenação Geral: Marco Paulo Rolla
Coordenação de Produção: Patrícia Matos
Curadoria: Marco Paulo Rolla e Fernando Ribeiro
Design gráfico: Tiago Serafim
Monitoria: Sara Becker
Vídeo: Jocélio Batista
Tradutora: Luciana Tanure
Assessoria de imprensa e Estratégias Digitais: A Dupla Informação
 
:: Serviço ::
MIP - Manifestação Internacional de Performance recebe inscrições para curso de Iniciação à Performance, com Fernando Ribeiro e Marco Paulo Rolla
Realização:  de 27/09 a 02/10, por meio de plataformas digitais
Carga horária: 20h/aula
Inscrições: até 10 de Setembro, pelo formulário https://forms.gle/aqnwNN4wYGwBQMkn9
Divulgação dos selecionados: 20/09
 
MIP - Manifestação internacional de Performance recebe inscrições para curso de Aperfeiçoamento à Performance, com Alison Crocetta (EUA)
Realização de 11/10 a 23/10, por meio de plataformas digitais
Carga horária: 40h/aula
Inscrições: até 17 de Setembro, pelo formulário https://forms.gle/JKbB87V851WZUobc8
Divulgação dos selecionados : 27/09
 
MIP - Manifestação internacional de Performance recebe inscrições para Espaço aberto 
Seleção de performances para apresentação na programação da MIP4 de 26/10 a 7/11
Inscrições: até 24 de Setembro, pelo formulário https://forms.gle/5QZcScs9uGK5Wv6E8
Divulgação dos selecionados: 08/10

Mercados tradicionais fazem parte de projeto com potencial de gerar 10 mil empregos diretos na RMBH

Circuito de Mercados já contabiliza oito espaços com potencial para gerar 10 mil empregos diretos em BH e na região metropolitana


Mercados dos bairros Santa Tereza, Cruzeiro, Padre Eustáquio e São Paulo integram o projeto e aguardam a liberação das autoridades para retomarem suas atividades

Com a meta de tornar a capital mineira um polo nacional do agronegócio, o grupo Uai e a Fundação Doimo estão implantando, em Belo Horizonte e na Região Metropolitana, oito Mercados onde o pequeno agricultor poderá comercializar sua produção sem ter que passar pelo atravessador, que hoje fica com a maior parte do lucro.

Trata-se dos Mercados de Origem, que integram o Circuito de Mercados, um projeto que reúne oito espaços – públicos e privados – em BH, Betim e Ribeirão das Neves com o objetivo de fomentar a economia local e valorizar o trabalho dos pequenos produtores. A iniciativa é do consórcio formado pelas empresas Grupo Uai – pertencente à Fundação Doimo, que encabeça a proposta –, Contata, Facile Gestão e Administração Eirelli, B21 Participações, Urbanes Empreendimentos Eirelli e Infracon.

Atualmente, oito empreendimentos fazem parte do Circuito de Mercados, os chamados de Mercados de Origem. Os municipais são: Mercado de Santa Tereza, Mercado do Padre Eustáquio, Mercado do Cruzeiro e Mercado do bairro São Paulo. Já os privados estão localizados no bairro Olhos D’Água, em Venda Nova, em Betim e em Ribeirão das Neves.

Alguns deles já estão preparados para retomarem suas atividades após o período de fechamento imposto pela pandemia de Covid-19. Mercados como o do Cruzeiro, por exemplo, contam com restaurantes e lojas em funcionamento. Já alguns outros aguardam liberação das autoridades para retomarem seus serviços.

Um exemplo é o Mercado de Santa Tereza, que depende da liberação da Prefeitura de Belo Horizonte para reabrir suas portas. “Antes das restrições impostas pela pandemia, tínhamos uma feira que acontecia lá toda semana e precisou ser interrompida. A população quer a volta da feira, mas, para isso, precisamos dessa autorização”, afirma.
 
Ainda segundo Tergilene, a estrutura do local possibilita um maior controle para a realização desse tipo de evento. “Atualmente, já são permitidas as feiras em locais abertos. Colocá-las dentro de um mercado permite um maior controle sobre a entrada dos visitantes, com verificação da temperatura, disponibilização de álcool em gel, entre outras ações que só contribuem para um evento mais seguro para todos”, acredita.
 

Emprego e renda

Ao todo, o Circuito de Mercados oferece cinco mil pontos de vendas, configurando-se como uma excelente oportunidade de geração de empregos. “Se cada ponto contratar duas pessoas para trabalhar, teremos 10 mil empregos diretos somente na capital e Região Metropolitana, sem contar os que vão ser gerados no campo para atender a essa demanda. Trata-se de uma verdadeira máquina de empregabilidade e renda e de retomada da economia pós-Covid”, destaca Tergilene.

Além de encontrar gêneros alimentícios de qualidade e diversificados, quem visitar um Mercado de Origem poderá, por exemplo, comprar artesanato e apreciar a boa gastronomia mineira. Além disso, o turismo também é parte importante desse projeto. Segundo Tergilene, “temos a proposta de vender não apenas produtos, mas também fomentar o turismo nas regiões onde eles são produzidos. As prefeituras e o Governo do Estado estão trabalhando conosco para isso”.

“Somos parceiros do desenvolvimento econômico e social, tanto na área urbana quanto na rural. Queremos oferecer, além de melhores condições de vida para o cidadão, gerando emprego e renda, a oportunidade de vivenciar o turismo e conhecer a cultura do nosso estado”, conclui o presidente da Fundação Doimo.

PBH convoca artistas da cidade para edição on-line da Virada Cultural 2021

Estão abertas as inscrições para artistas interessados em compor a programação.

A Secretaria Municipal de Cultura e a Fundação Municipal de Cultura, em parceria com o Instituto Periférico, realizarão em setembro a sexta edição da Virada Cultural de Belo Horizonte, em formato totalmente digital. A partir desta sexta-feira, dia 2, serão abertas as inscrições para artistas interessados em compor a programação. As propostas devem ser enviadas por meio de formulário disponível no site da PBH, onde também poderá ser acessado o regulamento de participação. O cadastro de propostas artísticas e culturais permanecerá aberto até as 23h59 de 20 de julho.

A programação da Virada Cultural de Belo Horizonte está aberta para atrações de artes cênicas e visuais, audiovisual, bem-estar e saúde, cultura popular, feiras digitais, gastronomia, intervenções e instalações urbanas, literatura, moda e design, música e outros segmentos indicados pelos candidatos, sendo aceitas propostas direcionadas ao público de todas as idades.

O objetivo é que atrações que habitualmente são apresentadas em palcos espalhados pelo hipercentro da cidade sejam levadas a ambientes inovadores, e que intervenções e instalações, principalmente as que trazem legado, ocupem os espaços do hipercentro da cidade em apresentações gravadas, sem público presencial.

A programação será realizada seguindo todos os protocolos de prevenção à Covid-19 vigentes em Belo Horizonte, com todo o conteúdo disponibilizado na web durante as intensas e aguardadas 24 horas do evento.

A inscrição para a Virada Cultural 2021 é destinada preferencialmente a artistas da capital, mas serão aceitas propostas das cidades da Região Metropolitana de Belo Horizonte. As propostas cadastradas serão avaliadas por uma comissão paritária, com igual número de representantes do poder público e da sociedade civil. Como critérios de seleção, estão a relevância da proposta, a adequação técnica e estrutural à Virada e a viabilidade financeira e documental para a contratação. Serão selecionadas o mínimo de 100 atrações para compor a programação. Os cachês são de até R$ 3 mil por cada atração cultural.

A realização da Virada Cultural de Belo Horizonte em 2021 reafirma o compromisso da Prefeitura com o setor cultural e artístico, somado às diversas políticas públicas municipais de cultura promovidas na cidade, adaptadas diante do desafiador contexto da pandemia de Covid-19. O formato proposto está em consonância também com as demandas do setor cultural da cidade em relação aos festivais públicos municipais, que está priorizando o setor cultural da cidade.

Ao longo de 2020 e 2021, a Secretaria Municipal de Cultura e a Fundação Municipal de Cultura vêm realizando reuniões virtuais com artistas, produtores e coletivos de diversos segmentos da cadeia produtiva de Belo Horizonte, com uma escuta atenta às questões relativas às consequências da pandemia para os trabalhadores da cultura.

“O festival injetará R$1,5 milhão de forma direta na economia da cultura em Belo Horizonte, ao mesmo tempo que permitirá à população da cidade usufruir dos mais diferentes tipos de atrações, de forma segura, fomentando também espaços culturais da cidade”, destaca a secretária Municipal de Cultura e presidenta interina da Fundação Municipal de Cultura, Fabíola Moulin.


Sobre a Virada Cultural de Belo Horizonte
Parte integrante da política pública de cultura da Prefeitura de Belo Horizonte, a Virada Cultural de Belo Horizonte é um dos mais importantes eventos culturais do município. Sua programação gratuita é composta por diversas linguagens artísticas, tais como artes cênicas, visuais e plásticas, cultura popular, literatura, moda, design e música, entre outras, com atividades realizadas durante 24 horas ininterruptas.

O evento tem como premissa proporcionar a democratização do acesso à arte e à cultura, bem como o estímulo à formação de público para os artistas da cidade. Já foram realizadas, até o momento, cinco edições da Virada Cultural, que somam a participação de mais de 15 mil artistas e profissionais da cultura, 2.445 atrações realizadas, alcançando um público de mais de 2,2 milhões de pessoas. A edição mais recente, em 2019, contou com 26 horas de programação, com mais de 440 atrações, alcançando um público de cerca de 520 mil pessoas, que passaram por 25 espaços do evento, no hipercentro da capital.
 
RELACIONAMENTO COM A IMPRENSA
Árvore - Cristina Sanches – (31) 9 8489 2098
Este endereço de email está sendo protegido de spambots. Você precisa do JavaScript ativado para vê-lo.
 
 
SERVIÇO
Virada Cultural de Belo Horizonte 2021
Inscrições para artistas interessados em compor a programação.
Período para envio das propostas: 02 a 20 de julho
Envio pelo site da PBH: https://prefeitura.pbh.gov.br/fundacao-municipal-de-cultura/festivais/viradacultural