Log in

Festival põe Guapimirim no mapa de observação de aves

Festival Passarinhar, em Guapimirim Foto: Marcelo Oliveira Festival Passarinhar, em Guapimirim

Evento contou com atividades culturais e educativas e expedições de birdwatching

A cidade fluminense de Guapimirim, distante 80km do Rio de Janeiro, sediou neste fim de semana a primeira edição do Festival Passarinharevento dedicado a despertar a atenção para a exuberância da flora e da fauna da região e para a necessidade de sua preservação. Comandadas pelos irmãos Daniel e Gabriel Mello, que desde meninos se dedicam à atividade, em Guapimirim, as “passarinhadas” como são conhecidas expedições para observação de aves, foram o ponto alto do evento, organizado pela Secretaria de Turismo de Guapimirim.

“As passarinhadas foram momentos de puro encanto, onde todos os grupos puderam apreciar a diversidade das aves de Guapimirim (registra 450 espécies catalogadas). Isto se dá por conta da nossa geografia peculiar, que vai das montanhas do Complexo Dedo de Deus até as águas do Manguezal Fluminense, no fundo da Baía de Guanabara. A cidade tem mais de 70% de seu território em área de proteção ambiental”, conta Mário SeixasSecretário de Turismo de Guapimirim.

O festival teve símbolo o Tietê-de-coroa (Calyptura cristata), ave raríssima, avistada pela última vez na Serra de Guapimirim, há mais de 26 anos. Referências no chamado birdwatching (Turismo de Observação de Aves), os irmãos Mello levaram o grupo de observadores a diferentes Unidades de Conservação de Guapimirim.

Mas nem só de atividade de campo viveu o Passarinhar. A programação do Festival incluiu desde uma oficina de aquarela, intitulada “Aves de Guapimirim”, comandada pela artista visual Argina Seixas, à exposição “Nas Asas da Liberdade”, em que os irmãos Mello apresentaram 14 fotografias de seu acervo.

 

IRMÃOS MELLO

Os irmãos Daniel e Gabriel Mello começaram sua trajetória com as aves em Guapimirim desde a infância, no sítio dos seus avós. À época, em 2007, esses faziam filmagens amadoras de espécies e publicavam em um site pessoal chamado "Avifauna Guapi" (2008). Das brincadeiras infantis para uma profissão consolidada. A sua trajetória levou a aquisição de equipamentos profissionais de observação, fotografia e gravação. Com o tempo, à medida que publicavam em plataformas especializadas, os irmãos começaram, também, a ficarem conhecidos no meio ornitológico. O que levou ao guiamento de pessoas interessadas em conhecer as aves da região da Serra dos Órgãos. 

Com o tempo dedicaram-se ao tratamento digital das imagens que produziam e começaram a ministrar workshops, cursos, palestras e aulas para fotógrafos de todo o Brasil. A expansão dos trabalhos para além do território fluminense fez com que os irmãos Mello começassem a explorar outras regiões do país, construindo assim um grande acervo de fotografias de natureza e registros sonoros nos diversos biomas brasileiros. 

Por volta de 2010, iniciaram a produção de seu primeiro trabalho editorial. Em parceria com o ornitólogo Francisco Mallet-Rodrigues, publicaram em 2015, o guia de campo "Aves da Serra dos Órgãos e Adjacências", um marco na história dos livros sobre aves brasileiras, por apresentar, pela primeira vez, pranchas inteiramente fotográficas (em vez de ilustrações). Após a repercussão bastante positiva da obra no Brasil e no exterior, eles lançaram, em 2020, outro livro, "Aves do Sudeste do Brasil - Guia de Identificação", contando com a co-autoria de Mallet-Rodrigues e Luciano Lima. 

Na exposição “Nas Asas da Liberdade” os irmãos apresentaram 14 fotografias de seu acervo para o público viajar pelo mundo da liberdade da natureza.

Deixe um comentário

Certifique-se de preencher os campos indicados com (*). Não é permitido código HTML.

Banner 468 x 60 px